06/12/2018 09:48 (atualizado em 31/12/1969 21:00)

Câmara de São Miguel do Oeste concederá título de Cidadão Honorário a João Valar João Carlos Valar será homenageado pela Câmara de Vereadores.

Foto; Divulgação / Ascom

Câmara de São Miguel do Oeste concederá, na próxima semana, o título de Cidadão Honorário do Município de São Miguel do Oeste ao ex-prefeito João Carlos Valar. O projeto de resolução concedendo o título foi aprovado pelos vereadores na sessão desta terça-feira (4). A proposição é dos vereadores do MDB Cláudio Barp, Cássio da Silva, Gilberto Berté e Silvia Kuhn. A entrega do título ocorrerá durante a sessão ordinária da próxima terça-feira (11), que tem início às 20h.

João Valar nasceu em 8 de janeiro de 1954 em Mussum, no Rio Grande do Sul, em uma família de oito irmãos. Em busca de melhores condições de vida, a família veio para São Miguel do Oeste em 1968 e passou a residir no Bairro São Gotardo. Nos primeiros anos João ajudava na lavoura e entregava leite, e mais tarde começou a ajudar o irmão Darci no recolhimento de suínos e grãos, e no setor de secagem e limpeza de grãos. Em 1975, a convite do irmão Jacinto, foi trabalhar na empresa Valar e Cia Ltda como entregador e vendedor.

Em janeiro de 1980, João Valar casou-se com Alaides Valar, com quem tem três filhos: Maísa, Marina e Vitor. João permaneceu na empresa até 1987, quando resolveu abrir sua própria empresa juntamente com a esposa. A família iniciou a empresa Valar Alimentos Ltda em uma peça de 15 metros quadrados na Rua Sete de Setembro. Trinta anos depois, a empresa produz mais de 100 produtos com marca própria, produção automatizada e atende as regiões do Oeste Catarinense, Sudoeste do Paraná e Noroeste do Rio Grande do Sul.

VIDA POLÍTICA

João Carlos Valar participava ativamente da comunidade do Bairro São Gotardo e, a convite de lideranças, em 1988 candidatou-se a vereador, elegendo-se com 440 votos. Na eleição seguinte concorreu para um segundo mandato, reelegendo-se com 572 votos. Em seu período como vereador, Valar ajudou a elaborar a Lei Orgânica do Município.

Após os dois mandatos, João Valar voltou a trabalhar na empresa Valar Alimentos, por quatro anos. Em 2000, pesquisas realizadas no município indicavam que Valar seria um potencial candidato a prefeito. Candidatou-se e foi eleito prefeito com 9.885 votos, tendo como vice Anacleto Ortigara. Valar reelegeu-se em 2005 com 8.607 votos, tendo como vice Moacir Martello. Valar concorreu novamente em 2012 e elegeu-se para o terceiro mandato de prefeito, fato inédito no município. João Valar e o vice Wilson Trevisan alcançaram 13.399 votos.

OUTROS PROJETOS

Na sessão os vereadores aprovaram também três projetos de lei. Confira abaixo mais informações sobre as propostas:

Projeto de Lei 124/2018: dá nova redação ao artigo 44 da Lei Municipal 6.904/2014, que dispõe sobre a construção, o funcionamento, a utilização, a administração e a fiscalização dos cemitérios públicos e particulares e a execução dos serviços funerários em São Miguel do Oeste. A nova redação do artigo diz que “a execução dos serviços funerários no Município de São Miguel do Oeste é considerada serviço público e poderá ser realizada mediante permissão ou concessão, através de Licitação na modalidade de Concorrência e com prazo estipulado de 10 anos através de edital, a critério do poder público, podendo ser prorrogado por igual período”. O projeto foi aprovado por maioria, com voto contra de Vagner Passos e abstenção de Maria Tereza Capra e Vanirto Conrad.

Projeto de Lei 132/2018: de autoria de Maria Tereza Capra (PT) e Elias Araújo (PSD), institui no âmbito do Poder Legislativo a “Menção Honrosa Dandara dos Palmares”. A homenagem será concedida a pessoas físicas ou jurídicas que tenham prestado relevantes serviços ao Município de São Miguel do Oeste, especialmente em relação à conscientização e na formação da identidade negra do povo brasileiro, ou, ainda, que tenham se destacado no combate a qualquer tipo de discriminação e preconceito na defesa dos Princípios Fundamentais da Constituição da República Federativa do brasil e na promoção da vida.

O projeto prevê que a concessão da menção honrosa ocorrerá anualmente no mês de novembro, durante a Semana da Consciência Negra, em sessão ordinária ou solene. A escolha dos homenageados deverá ser definida por consenso dos vereadores ou votação dos vereadores presentes na reunião de escolha. A homenagem leva o nome de Dandara dos Palmares que, além de esposa de Zumbi dos Palmares, foi uma das lideranças femininas negras que lutou contra o sistema escravocrata do século XVII.

Projeto de Lei 133/2018: de autoria de Odemar Marques (PDT), denomina de Nelcy Reina Minatti a Rua Projetada B, localizada no Loteamento Solar do Arcanjo. A homenageada nasceu na Linha Sete Ouro, em Santa Catarina, em 1938. Casou-se com Otacilio Minatti, com quem foi morar na Linha Taquá, em Descanso. O casal teve oito filhos: Marlei (em memória), Cleide, Valmir, Rosalina, Ivone, Valdir, Valmor e Clair, além de 17 netos e oito bisnetos. Foi uma mulher honesta, religiosa, prestativa e dedicada, sempre pensando em ajudar o próximo e a comunidade. Em 2000 Nelcy mudou-se para São Miguel do Oeste, residindo no Bairro Progresso. Nessa comunidade foi muito prestativa, deixando seu legado em cada benfeitoria. Nelcy, vítima da doença de Alzheimer, faleceu em 26 de maio de 2017.

HOMENAGEM AO CEDUP

A Câmara também entregou uma moção de aplauso parabenizando o Centro de Educação Profissional (Cedup) de São Miguel do Oeste pelos 30 anos de fundação, em reconhecimento a sua “trajetória e excelência na formação de cidadãos críticos, conscientes, responsáveis e participativos”. A moção é de autoria de Vagner Passos (PSD), Everaldo Di Berti (PSD), Gilberto Berté (PMDB), Carlos Grassi (PP), Cássio da Silva (PMDB), Elias Araújo (PSD), Maria Tereza Capra (PT) e Odemar Marques (PDT).

Denominada inicialmente de Escola Agrícola Getúlio Vargas, o Cedup foi criado em 3 de julho de 1987, iniciando suas atividades escolares em 16 de maio de 1988. Atualmente a instituição oferece os cursos técnicos em Agropecuária e em Paisagismo – área profissional de Produção Cultural e Design. Em 2018 há 258 estudantes nessa escola, dos quais 105 internos, 105 semi-internos e 48 do Curso Técnico em Agropecuária Subsequente. Nos seus 30 anos de história, o Cedup já formou mais de 1200 profissionais.

“Nestes 30 anos de existência o Centro de Educação Profissional Getúlio Vargas foi se estruturando técnica e pedagogicamente, desenvolvendo projetos produtivos que hoje são responsáveis por grande parte da manutenção da escola, além de serem fundamentais para a qualidade do ensino agropecuário”, destacam os autores da moção.

O Centro de Educação possui em sua estrutura área de terra, além de 10 mil metros quadrados de área construída para atender seus estudantes com salas de aula, dormitórios, biblioteca, cozinha, padaria, ginásio, parte administrativa. Já os setores agropecuários da instituição atuam em áreas como suinocultura, bovinocultura, aves-corte e postura, codornas, coelhos, tanque com peixes, ovinocultura, área de lavoura, fruticultura, silvicultura, horticultura, vivericultura, área com forrageiras, setor de jardinagem e paisagismo, indústria de leite e de carne. A moção foi entregue ao diretor da instituição, Wilson Antônio Wronski.

Foto; Divulgação / Ascom

Foto; Divulgação / Ascom

Veja fotos da matéria

Fonte: Ascom Câmara de Vereadores de SMOeste

Mais notícias