22/01/2019 13:32 (atualizado em 31/12/1969 21:00)

"Vamos restaurar nossos valores e abrir nossa economia", afirma Bolsonaro em Davos Presidente disse que vai reduzir a carga tributária e que vai tirar a questão ideológica das relações comerciais.

"Vamos restaurar nosso valores a abrir nossa economia", afirma Bolsonaro em Davos | Foto: Fabrice Coffrini / AFP

Em seu primeiro discurso internacional como presidente do Brasil, Jair Bolsonaro destacou que o país está "de braços abertos" para o mundo e que quer "mostrar para o mundo o momento único em que vivemos". Falando na abertura da conferência de Davos, ele disse que vai "restaurar nossos valores e abrir nossa economia" e que sua equipe "goza de credibilidade para fazer as reformas de que precisamos e que o mundo espera de nós".

"Queremos governar pelo exemplo e que o mundo restabeleça a confiança que sempre teve em nós. Vamos diminuir a carga tributária, simplificar as normas, facilitando a vida de quem deseja produzir, empreender, investir e gerar empregos. Trabalharemos pela estabilidade macroeconômica, respeitando os contratos, privatizando e equilibrando as contas públicas", disse em sua intervenção de seis minutos.

"O Brasil ainda é uma economia relativamente fechada ao comércio internacional, e mudar essa condição é um dos maiores compromissos deste governo. Tenham certeza de que, até o final do meu mandato, nossa equipe econômica, liderada pelo ministro Paulo Guedes, nos colocará no ranking dos 50 melhores países para se fazer negócios", garantiu.

O presidente disse que assumiu o Brasil em uma profunda crise ética, moral e econômica após, ser atacado durante a campanha. "Temos o compromisso de mudar nossa história. Pela primeira vez no Brasil um presidente montou uma equipe de ministros qualificados. Honrando o compromisso de campanha, não aceitando ingerências político-partidárias que, no passado, apenas geraram ineficiência do Estado e corrupção," falou apresentando ao público o ministro Sérgio Moro, a quem chamou de "o homem certo para o combate à corrupção e o combate à lavagem de dinheiro".

Bolsonaro ainda afirmou que as relações internacionais serão dinamizadas pelo ministro Ernesto Araújo, "implementando uma política na qual o viés ideológico deixará de existir". "Para isso, buscaremos integrar o Brasil ao mundo, por meio da incorporação das melhores práticas internacionais, como aquelas que são adotadas e promovidas pela OCDE. Buscaremos integrar o Brasil ao mundo também por meio de uma defesa ativa da reforma da Organização Mundial do Comércio, com a finalidade de eliminar práticas desleais e garantir segurança jurídica das trocas comerciais internacionais", avaliou.

Um dos tópicos mencionados pelo presidente foi a defesa dos valores da família e dos "verdadeiros" Direitos Humanos. "Vamos proteger o direito à vida e à propriedade privada e promover uma educação que prepare nossa juventude para os desafios da quarta revolução industrial, buscando, pelo conhecimento, reduzir a pobreza e a miséria", disse, em tom firme. "Estamos aqui porque queremos, além de aprofundar nossos laços de amizade, aprofundar nossas relações comerciais", completou.

"Somos o país que mais preserva o meio ambiente"

A questão ambiental não ficou de fora de sua intervenção. Bolsonaro disse que o Brasil é o país que mais preserva o meio ambiente e que os setores que o criticam têm que aprender com ele. "Nenhum outro país do mundo tem tantas florestas como nós. A agricultura se faz presente em apenas 9% do nosso território e cresce graças a sua tecnologia e à competência do produtor rural. Menos de 20% do nosso solo é dedicado à pecuária. Essas commodities, em grande parte, garantem superávit em nossa balança comercial e alimentam boa parte do mundo", argumentou. O desafio, conforme ele, é "avançar na compatibilização entre a preservação do meio ambiente e da biodiversidade com o necessário desenvolvimento econômico, lembrando que são interdependentes e indissociáveis".

"Temos a maior biodiversidade do mundo e nossas riquezas minerais são abundantes. Queremos parceiros com tecnologia para que esse casamento se traduza em progresso e desenvolvimento para todos. Nossas ações, tenham certeza, os atrairão para grandes negócios, não só para o bem do Brasil, mas também para o de todo o mundo. Estamos de braços abertos. Quero mais que um Brasil grande, quero um mundo de paz, liberdade e democracia. Tendo como lema 'Deus acima de tudo', acredito que nossas relações trarão infindáveis progressos para todos", analisou.

 

Veja fotos da matéria

Fonte: Correio do Povo

Mais notícias